[email protected]

O Prisioneiro

Pushkin Publicado em 09.01.2007

*

Estou trás as grades de úmida prisão.
Águia jovem criada nesta servidão,
Triste companheiro meu, a asa a agitar,
Sangrenta ração se dispõe a bicar.

Mas logo a rejeita, e olha através do vão
Qual se a meditar em minha solidão.
Atrai com a olhada e o grito peculiar
E quer proferir: “Ponhamo-nos a voar!

Livres somos nós; é hora, é hora, irmão!
Ao cimo que alveja trás o nimbo, então,
Ao ponto em que o azul aos mares se estendeu,
Ao em que passeamos, sós, o vento... e eu!”

(1822)

 

Poesia de todos os tempos – Puchkin
Poesias escolhidas edição bilíngüe
Organização e tradução José Casado
Editora Nova Fronteira