[email protected]

Mensagem aos poetas novos

Augusto Frederico Schmidt Publicado em 05.11.2007

*

A poesia é simples.
Vejam como a lua úmida
Surge das nuvens
Livre e indiferente.
Vejam o silêncio que nasce
Dos túmulos, nas madrugadas!

A poesia é simples.
O canto é pobre e puro
Como o pão e o fogo.
Como os vôos dos pássaros
Nos céus azuis.

Agora sinto que me liberto.
Venho dos mistérios da adolescência,
Das insônias, brancas barcarolas,
Ventos exaustos, mãos ardendo,
Olhares que as chamas já perdidas
Descobriram, refúgio de velhas ambições,
Porto de inquietas, tristes esperanças
Adormecidas, lívidas, extintas,
Subitamente despertadas.
Que ruído de asas de repente –
Que tremores nas vozes apagadas
E que brilham de novo intensamente!

Agora sei que é simples a poesia.
E que é a própria vida:
Antes julgava apenas que era morte,
Quando nada vivera e não sentira
Senão o folhear das aleluias.
Agora sei. Contemplo a tarde:
O sol no ocaso cortas as árvores,
Pelas estradas passam caminhantes
Que vêm do outrora e vão indiferentes
Ao encontro de mares e de luas.

Precisa-se no espírito como um fruto
Maduro enfim, perfeito e saboroso,
O conceito, a figura da poesia.
Sobre a pele esverdeada manchas negras,
Que perfume de seios e de alfombras!

Eis a vida! – Soluço de alegria
Perdido na ambição da eternindade.
Agora sei que é vida essa poesia
Que vesti de violáceos desesperos.
Cantos de escravo, sons de sinos mortos,
Mares, sombras de Junho, ermos,
E longos, lacrimosos caminhos!
Agora sei que é vida
Essa poesia, que os perfumes de amadas
Impossíveis, de lutuosos e tristes desesperos
Fizeram desmaiada em verde tempo.
Agora sei! Mas é tão tarde!
Tarde não mais apenas nas palavras,
Tarde porque desfaz-se em pó
Esta matéria, vaso que conteve
O ser e sua música olorosa!
Espírito da vida, agora é tarde!
Mas respiro e ainda sinto as forças nuas,
Plasmando as formas, dominando tudo.
Sinto, mas já não estou, não sou senão
Conhecimento e lúcida memória.

Poetas dos tempos novos!
Simples é, como a lua nua
E livre de nuvens,
A poesia!

Simples é o amor, e não soturno
E curvo como o enfermo poeta
O canta na turbada adolescência.

Simples, e tão mais simples
Quanto puro é o canto.
Vôo de asas nos céus quentes!

Poetas novos, dissipam-se os assombros:
Nasce a poesia, enfim.
Mas nasce tarde, a dor viveu
Longamente demais na alma enganada.
Era dor de palavras.
Dor é agora, esta que sinto
Vendo em flor o mundo,
Vendo as formas gentis
E a ordem nascendo
Dos tumultos e inúteis agonias.

Dor é esta que fere
E guardo; e apenas a essência aqui formando,
E bem de longe,
O sol macio corta as árvores,
Pássaros cantam, e a noite,
Com traiçoeiros meneios muito longe
Ainda, sua marcha e conquista mal começa.

Dor é esta, é saber
Que ás estrelas futuras e distantes
Nenhum apelo chegará jamais!

 

Um século de poesia Antologia – Augusto Frederico Schmidt
Seleção e organização Letícia Mey, Euda Alvim
Editora Globo