[email protected]

Começar de novo

Lucia Ana Publicado em 29.08.2008

*

      O vento do mar tem cheiro de vida, onde sutilmente procuro me equilibrar. O  vento do mar acaricia o meu rosto com areias de esperança. O vento do mar perfuma o meu corpo com o suor de alegria. O vento do mar queima o meu peito com a chama do amor. O vento do mar bronzeia minhas pernas com o calor da felicidade. O vento do mar ilumina meus cabelos com os raios do sol. O vento do mar balança minhas roupas com sopros do luar. O vento do mar beija minha boca com a sofreguidão de suas ondas. O vento do mar amarra minha sorte na âncora das tempestades. O vento do mar acorda meus sonhos na maré das noites enluaradas. O vento do mar tem o som das ondas que quebram nas rochas e se dividem em poemas de amor. O vento do mar tem a cor da confiança que se derrama sobre os barcos pesqueiros. O vento do mar desvenda os mistérios de amor que se escondem no fundo de suas conchas. O vento do mar traz a voz que cala a minha solidão. O vento do mar tem a capacidade de mergulhar profundamente em busca de um raio de luz. O vento do mar suspira brandamente os sonhos que a maresia carrega. O vento do mar escreve poesias  em suas areias molhadas. O vento do mar abre um sorriso de alegria nas primeiras horas do dia. O vento do mar provoca em mim um grito de contentamento, quando desperto na sua costa. O vento do mar abraça a criança, assustada que ainda mora dentro de mim. O vento do mar escuta as confissões de amor, que a timidez é capaz de calar. O vento do mar despe o meu corpo sem preconceitos  e me agasalha com o brilho das estrelas. O vento do mar tem o gosto do sal que alimenta a minha caminhada. O vento do mar cerra os meus olhos, para me proteger do tufão. O vento do mar alivia o meu cansaço, quando o corpo pede socorro. O vento do mar chega de mansinho, murmurando palavras de amor e acorda o meus sentimentos. O vento do mar tem a paciência que eu preciso para desfiar as estações do tempo. O vento do mar engoliu minhas palavras e cantou para o amanhecer. O vento do mar me convida para dançar ciranda, nos momentos em que eu preciso de forças para aquietar meu coração. O vento do mar constroi dunas brancas, onde posso sossegar minha ousadia. O vento do mar acompanha meus passos na calada das noite frias. O vento do mar leu no meu semblante uma declaração de amor. O vento do mar me embalou nas espumas alvas de suas ondas. O vento do mar me convidou para passear nas suas margens poéticas. O vento do mar desconhece as horas, o que me permite viver sem pensar em aposentadoria. O vento do mar corre comigo pelas ilhas que guardam suas lendas. O vento do mar me presenteia com gestos de proteção. O vento do mar cicatriza as minhas feridas nas salinas. O vento do mar velou o meu sono profundo... e acordei, acariciada pela viração. Esta brisa que carrega o aroma da plenitude. É sempre tempo de recomeçar.