[email protected]

Velhos dilemas do sexo

Andocides Bezerra Publicado em 02.09.2005

      Eles já eram casados há três filhos e um neto e, depois de tantos anos, depois de tantas crises, vitórias, tristezas e alegrias, fica difícil se inspirar a ponto de levantar o ânimo durante uma noite quente de verão. Com um pensamento na cabeça e uma camisinha no bolso – que me desculpe Glauber Rocha –, Roberval resolveu se aventurar pelas noites de São Paulo. Entrou em boates, bares, casas de massagem e até em puteiros da mais baixa qualidade. No entanto, cada vez que estava para consumar o crime, cada vez que estava na cara do gol, Roberval recuava e pensava na Creusa, sua companheira de longa data. Depois de mais algumas tentativas desistiu e resolveu voltar para casa e desfrutar do velho feijão com arroz que tanta alegria já havia lhe dado.

      Voltando e sentindo-se um verdadeiro inútil – sim, pois se não consigo em casa e nem na rua, pra que sirvo então? – Uma pergunta que paira na cabeça de muitos homens. Com o avanço da tecnologia, desenvolvendo diversos meios para reprodução e com a proliferação de diversas formas de prazer, inclusive caindo o tabu de relações entre mulheres, o homem é realmente um animal em extinção. O que vai sobrar para nós pobres homo sapiens sapiens do sexo masculino? Ficar no cinco contra um é muita crueldade. Por outro lado até que não é ruim, fazer justiça com as próprias mãos, virar para o lado e dormir. Ah sim! Dormir sem ter que dizer: foi bom para você? Apesar de não saber se elas gostam que perguntemos isto. Mas não está certo isto é muito bom dividir a cama com uma companheira. Menos no verão. Ah não! No verão não dá. Aquele calorão, aquele suor todo, ainda mais se você é um pobre coitado como eu. Compra um maldito ventilador e coloca aquele bicho rodando a noite toda fazendo um tremendo barulhão. Toda noite é um sonho, você se achando um piloto de avião ou de fórmula um. Tá louco, ninguém merece! Ai tua mulher, a tua não a minha, pois quem dorme com a tua és tu, imagino, e não eu. A mulher vira para o teu lado com aquele bafo, isto quando não te enfia a mão. Claro, pois minha mulher tem a mania de sonhar que eu estou a trai-la e me mete a porrada dormindo. Ai eu acordo todo machucado e com o olho roxo. E ainda tenho que agüentar as piadinhas no trabalho: Aí hein Roberval, saiu da linha e apanhou da mulher! E o pior é que nem consigo sair da linha.

      Mas ao se dirigir para casa Roberval passou por um sex shop e, para matar a curiosidade, entrou.

      O sex shop contava com um ótimo vendedor, Roberval chegou em casa apinhado de objetos exóticos. A Creusa demorou um pouco a assimilar tudo aquilo, mas com umas piadinhas maliciosas do Roberval e a excitação, acabou aceitando. Os objetos até que ajudaram a criar o clímax que há tempo não se via sobre aquela cama. Até aí tudo bem. O problema foi utilizar aqueles aparelhinhos. O vendedor até tentou explicar para o Homo sapiens sapiens do sexo masculino, mas este, todo constrangido foi logo se fingindo o grande conhecedor do assunto e se fiou na possibilidade da existência de um manual. 

      Em casa, sobre a cama, com sua tradicional cueca samba canção, de meias e touca, Roberval começou a desembrulhar os pacotinhos. Cada pacote aberto era um susto. Creusa perguntava para que era isto para que era aquilo e ele só dizia, espera, espera. Pegou um pacote comprido e viu aparecer diante dos seus olhos um objeto cilíndrico, comprido parecido com o seu, só que maior, mais grosso e com um complemento na base parecido com o grande só que bem menor. Para que isto? Perguntou a Creusa. Ora mulher é para colocar lá! Tudo bem Roberval, eu sei que este maior – e olha que é bem maior – é para colocar lá, mas este pequenino, coloca-se aonde? Huummm. Pensou Roberval. Deve ter saído com defeito de fábrica. Amanhã vou reclamar.

      Abriram mais algumas caixinhas. Sempre procurando o manual e não encontrando, Roberval ia tentando encaixar algumas coisas em outras, às vezes nas suas coisas, às vezes nas coisas de sua companheira – sim, pois depois de muitos anos de casado tanto o marido quanto a mulher, têm certas liberdades que lhes permitem colocar umas coisas nas coisas do outro sem ter que pedir licença. E assim seguiram mais algum tempo até que os objetos, inúteis diga-se de passagem, pelo menos no que diz respeito a usá-los propriamente dito, foram ficando de lado e os velhos e tradicionais objetos dados a nós no nosso nascimento foram resolvendo o problema do Roberval e da Creusa que também já não agüentava mais de tanto tesão.